Oficialato

Visita Domiciliar

BAIXE O ARTIGO

Estamos bem e, sinceramente, no período de visitas domiciliares; diversas famílias já receberam sua visita anual dos presbíteros. Alguns de nós estão aguardando ansiosos para a visita; outros, nem tanto. Porventura, coloque um pouco de ansiedade, para ler sobre este tema.

O que é uma Visita Domiciliar?

O Senhor Jesus Cristo deu sua vida por suas ovelhas há muitos anos. Ainda hoje, este mesmo Cristo continua a cuidar de nós em nossas necessidades. Parte desse cuidado vem através dos presbíteros. Como Paulo disse aos presbíteros de Éfeso: “Preste muita atenção a… todo o rebanho, no qual o Espírito Santo os tem feito supervisores, para cuidar da igreja de Deus, a qual ele obteve com o seu próprio sangue” (Atos 20: 28).

Os presbíteros exercem esse cuidado, em parte, participando na vida de cada um dos membros da congregação. O melhor lugar para participar das suas vidas é certamente o lar. Em sua visita a casa, os presbíteros procuram ter uma noção de como cada pessoa está trabalhando com sua fé em meio aos muitos desafios da vida.

Para ter uma noção de como cada membro está fazendo, os presbíteros tentam iniciar uma conversa aberta com os visitantes. Talvez aqueles que receberam a visita hesitem em se abrir por causa da suspeita de que o que será dito na visita domiciliar será discutido em uma reunião do conselho subsequente. Por isso, quero declarar enfaticamente que o que é compartilhado com os presbíteros durante a visita fica entre eles. A visita não é discutida na reunião consistorial, exceto a condição de relacionamento que o membro tem com Deus, se é saudável ou não. Somente se a relação com Deus não for saudável, os presbíteros compartilharão esse fato com o conselho – e somente se os presbíteros precisarem de orientação sobre como ajudar a família em questão a cultivar uma fé mais saudável.

Quem participa da visita?

Os presbíteros
Obviamente, são os presbíteros que fazem. São duas pessoas normais, homens que se esforçam com a mesma espécie de perguntas, injustiças e alegrias que qualquer outra pessoa. Talvez estes dois homens sejam bem conhecidos por você; ou talvez eles não sejam. A coisa importante a lembrar, porém, é que eles não vêm para sua casa por sua própria autoridade. Eles farão muitas perguntas pessoais, e você pode estar muito inclinado a responder que as respostas a essas perguntas simplesmente não são da conta deles. Por favor, esteja ciente, então, que nenhum presbítero vem porque ele é intrometido ou entediado. Em vez disso, os presbíteros vêm até você porque ninguém menos que Jesus Cristo os enviou. Cristo Jesus já sabe o que está acontecendo em sua vida e coração, e ele proveria respostas ou correção, através de homens específicos que Ele chamou para o ofício de presbítero. Em termos reais, isso significa que precisamos nos preparar genuinamente, para a visita domiciliar, dar as boas-vindas aos irmãos afetuosamente e estar determinado a abrir-se com eles. Lembre-se de que os irmãos tiveram um dia inteiro de trabalho, deixaram sua família (novamente) para visitá-lo e, sem dúvida, estão um pouco apreensivos ao entrarem em sua casa. Trate-os como embaixadores honrados de Cristo, incluindo orando por eles antes da visita, vestir-se para receber os embaixadores de Cristo e durante a visita ser receptivo e honesto com eles, como se o próprio Jesus Cristo estivesse presente.

A família
Da mesma forma, é que toda a família deve estar presente para a visita. Cada membro da família, afinal, pertence a Jesus Cristo, e Ele está interessado em todos. Como regra geral, qualquer pessoa com idade suficiente para ir à escola deve estar presente para a visita. Os pais fazem bem em explicar às crianças antecipadamente sobre o que é a visita, o que as crianças devem esperar e também que atitude devem ter em relação aos presbíteros, a saber, recebê-los como embaixadores de Cristo e, assim, ser acessíveis e honestas. Os pais devem também assegurar que cada membro da família esteja vestido apropriadamente para a visita de Cristo, sua própria Bíblia e Livro de Louvor à mão, e esteja pronto e esperando quando os presbíteros chegarem. É claro que, na mesa da cozinha, a bênção de Deus deve ser buscada antes da visita.
Toda a família não precisa estar presente durante toda a noite. Na verdade, os mais velhos vão querer envolver os pais em discussões que é melhor que aconteçam quando as crianças não estiverem presentes. Os presbíteros geralmente encerram a parte das crianças da visita domiciliar com a oração, recomendando as circunstâncias de cada criança aos cuidados do Senhor. Os pais fariam bem em enviar seus filhos para seus quartos, para que os presbíteros pudessem falar mais pessoalmente com os pais sobre os problemas de suas vidas. Uma vez que a parte da visita esteja completa, os presbíteros novamente irão conduzir em oração, com ação de graças e petição pelo que ouviram.

Que tipo de coisas serão discutidas?

Abaixo está uma lista aleatória dos tipos de perguntas que podem surgir para discussão. É claro, que os presbíteros podem ver necessidade de criar outras questões de vida diferente daquelas. De fato, eles invariavelmente irão levantar o tema escolhido para o ano (veja abaixo).

Perguntas Individuais e Familiar

Assuntos:
Você cresceu em seu serviço ao Senhor desde a visita anterior? Se sim, como? Se não, o que pode explicar a ausência de crescimento? Como você poderia melhorar isso?

Quais são os seus hábitos pessoais de leitura da Bíblia e hábitos de oração? Como sua leitura da Bíblia o ajuda a lidar com as demandas do dia?

Quais são os seus hábitos familiares de leitura da Bíblia e hábitos de oração? Como você, como pai, usa a leitura da Bíblia como uma oportunidade para ensinar a família ainda mais no caminho do Senhor? Você ora pelas necessidades individuais de seus filhos?

Vocês, como marido e mulher, sabem o que se passa nos corações um do outro? Como vocês lideram e apóiam o outro nos fardos e provações que o outro carrega?

Vocês, como pai e mãe, sabem o que se passa no coração de seus filhos? Como vocês os orientam nas questões da vida?

Há algum assunto em sua vida pessoal ou familiar que exija atenção especial dos presbíteros (ou diáconos)?

Esteja preparado para levantar a questão no decorrer da visita.

Assuntos da Igreja
Como você trabalha com a pregação que o Senhor coloca diante de você domingo a domingo? Como você leva sua família a se beneficiar dessa pregação?

Como você está envolvido na vida congregacional? Você se descreveria como um membro ativo ou um membro secundário? Explique como você é.

Quais pontos fortes e/ou fracos caracterizam a congregação? Quais pensamentos você tem sobre como aproveitar ao máximo os pontos fortes para a crescente glória de Deus? Quais pensamentos você tem sobre corrigir as fraquezas? Que contribuição você poderia fazer para incentivar a igreja à uma vida mais íntegra?

Você acompanha o trabalho realizado no campo missionário e o apóia em oração? Por que ou por que não?
Quais são as suas opiniões em Smithville ligadas no trabalho missionário local? Por que você responde como você faz?

Como você apóia as necessidades de outros membros da congregação para obter uma educação solidamente focada em Deus? Explique por que seu apoio é como é.

Você voluntariamente dá seus primeiros frutos ao Senhor, ou faz isso com relutância? Explique por que você se sente assim.

Tema
O tema estabelecido, na reunião do conselho para as visitas domiciliares deste ano é a Fé viva, membro ativo. Após os relatórios de visitas domiciliares do ano passado, e considerando o tópico Estudo da Bíblia do sistema do ano passado (o livro de Thomas Rainer, sou membro da Igreja), o Conselho considerou para
a visita, que eles podem ler com o visitante Colossenses 3, trazendo à tona os aspectos do sermão que ouvimos recentemente naquela parte das Escrituras. Pode ser plausível ler essa passagem antes dos presbíteros chegarem e falarem sobre isso novamente com a família. As perguntas listadas abaixo talvez ajudem nessa conversa.

Algumas perguntas para pensar antes da visita:
A leitura da Bíblia foi: Colossenses 1:13-23; 3:1-17, e o texto Colossenses 3:11b: “mas Cristo é tudo e em todos.”

O que Paulo quer dizer quando diz: “Cristo é tudo”? Para responder a pergunta corretamente, você precisará se referir a Colossenses 1 e abranger dois aspectos:

Quem é Cristo?

O que Cristo fez?

Qual o benefício que você obtém da identidade de Cristo e de suas realizações? Em outras palavras, o que significa que “Cristo é tudo” (= tudo) para você?

Para seguir a pergunta 2: faça uma lista de três coisas em sua vida que poderiam ser mais importantes que Jesus Cristo. Então: faça um esquema de jogo para afastar essas três coisas do centro das atenções, para que Jesus Cristo, de fato, seja tudo para você.

Cristo é “tudo” e também o vencedor. No vestiário, Paulo quer que os cristãos colossenses “despojem-se” e “revistam-se”.

Como o que você está vestindo mostra em qual time esportivo você está?

Como o que você está vestindo (e talvez como você está usando?) mostra o que você pensa sobre a equipe em que você está?

Por que um cristão não deveria estar vestido com as coisas mencionadas em 3:8? Por que usar as coisas dessa lista não mostra que você está no time de Cristo?

Por que um cristão deve se vestir com a lista mencionada em 3:12,13? Isto é, por que usar as coisas dessa lista mostra que você pertence à equipe de Cristo?

Preste atenção a este tópico. Ser um membro ativo da igreja obviamente envolve antes de tudo ter uma fé viva, e isso é uma menção a ter uma relação ativa com o Senhor Deus. Vamos chamar isso de dimensão vertical. Essa fé viva surge necessariamente quando um relaciona-se com os outros (essa é a dimensão horizontal). Pode-se pensar, então, em como se conduz o casamento, como se interage com os membros da família, como se relaciona com os que estão no local de trabalho, como se conecta com os da comunidade e como participa das necessidades e atividades da igreja do Senhor.

Você luta para “despojar” o conjunto de roupas e e para perdoar o outro (3:13)? Você está guardando rancor contra um membro da família ou um membro da congregação ou um colega de trabalho? Você luta com um ressentimento ou raiva?

O que acontece quando os membros da equipe jogam sozinhos? Você joga sozinho em sua família ou na igreja? Se sim, o que você propõe fazer sobre isso? Se não, como você pode melhorar seu jogo?

Em conclusão

Minha oração é que o Senhor abençoe graciosamente os trabalhos dos presbíteros em seu lar ricamente. É tudo sobre a glória de Cristo e, portanto, nosso crescimento nEle.


Tradução: Alaíde Monteiro.

Revisão: Thaís Vieira.

O website revistadiakonia.org é uma iniciativa do Instituto João Calvino.

Licença Creative Commons: Atribuição-SemDerivações-SemDerivados (CC BY-NC-ND). Você pode baixar e compartilhar este artigo desde que atribua o crédito à Revista Diakonia e ao seu autor, mas não pode alterar de nenhuma forma o conteúdo nem utilizá-lo para fins comerciais.

Próximo artigo Sinal de Esperança
Artigo anterior O Batismo e a Aliança

Artigos relacionados

Comentários com o Facebook (0)

Comentários com o Wordpress (0)

0 Comentário

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comentar este artigo!

Deixe um comentário

2 × 4 =