Oficialato

Mateus 20: 18-19 – Pentecostes: para os gentios!

BAIXE O ARTIGO

…Eles o condenarão à morte. E o entregarão aos gentios para ser escarnecido, açoitado e crucificado; mas, ao terceiro dia, ressurgirá.” (Mt 20.18b,19)

Há um padrão significativo nos anúncios que o Senhor Jesus faz a respeito de Seu iminente sofrimento e morte. No primeiro anúncio, Ele diz que será entregue aos anciãos, principais sacerdotes e escribas (Mt 16.21). Aqui, Seu foco está nos perpetradores imediatos do crime contra Ele. O segundo anúncio amplia o círculo daqueles que são culpados, e inclui as multidões que se levantaram tão furiosamente contra ele. Jesus diz que deveria ser entregue nas mãos dos homens (Mt 17.22), os quais pensamos nos judeus em geral. No anúncio final, o círculo de culpa é ampliado ainda mais. Jesus descreve especificamente o tipo de morte que ele deve sofrer e diz que será entregue aos gentios, para que eles façam com ele o que quisessem.

Nesta volta final a Jerusalém, os discípulos agora ouvem falar da profundidade indescritível dos sofrimentos iminentes do Salvador. Isto não podia deixar de desafiar todas as suas expectativas. Pois a última coisa que aconteceria ao Messias, de acordo com as expectativas do dia, era que Ele fosse entregue nas mãos dos gentios. De fato, as pessoas esperavam que Ele os libertasse dos gentios! Ele deveria governar as nações, governando-as com um cetro de ferro.

Revelar esta nova dimensão de Seus próximos sofrimentos aos discípulos apenas intensificava os sofrimentos de Cristo. Eles obviamente não entendiam a profundidade do que estava prestes a acontecer. No entanto, eles tiveram que ser instruídos para o Pentecostes! E conforme são instruídos, dimensões sucessivamente mais amplas dos sofrimentos e vitórias de Cristo aparecem à vista. O trabalho que Ele estava prestes a fazer também tinha significado para os gentios! Mencioná-los aos discípulos colocava em foco o padrão dramático do plano de salvação de Deus.

Pois Cristo diz que Ele deveria ser entregue aos gentios como um grupo específico de pessoas. Os gentios incorporam todos aqueles que não eram judeus, nos dias de Cristo e nas gerações seguintes, até o dia de Seu retorno. Agora, Cristo anuncia que eles estão incluídos em Sua condenação. Ele morrerá como judeu, mas apenas no fórum do mundo. Os gentios têm sua parte na culpa de Sua morte. Eles sancionarão e aumentarão a crueldade dos judeus contra o Messias.

Mas qual é o grande plano de salvação de Deus? Quando Cristo inclui os gentios aqui como cúmplices em Sua morte, Ele também quer instruir os discípulos sobre o alcance e o valor de Sua cruz. De fato, Sua obra de salvação não é apenas para os judeus, mas também para os gentios! E assim como Ele foi entregue aos gentios, foi entregue pelos gentios e por eles. Como apóstolos depois da Páscoa, os discípulos foram chamados para testemunhar Sua vitória sobre o pecado e a morte, e levar a mensagem da anistia da culpa no sangue da cruz até os confins da terra.

Aqui os discípulos aprendem que todos compartilharão a culpa de Sua morte. Nós também estamos incluídos! Todos compartilhamos a culpa da cruz. Mas isso forma o terreno para a pregação apostólica! Quando Deus ainda proclama anistia, mesmo depois dessa culpa universal e insondável, Ele mostra a grandeza de Sua misericórdia e longanimidade com o mundo! E ao anunciar aos gentios a culpa que eles tiveram como cúmplices na morte de Cristo, os apóstolos também anunciariam a eles o caminho para escapar da ira iminente de Deus pregando a graça de Deus para aqueles que creem no sangue da cruz como a única maneira pelos quais os pecados podem ser remidos no mundo.

Vemos então raios de Pentecostes no anúncio final de Jesus a respeito de Sua morte iminente. Por mais difícil que fosse para Ele, representa nossa libertação do pecado e da culpa! O fato de os gentios serem incluídos em Sua morte permite que sejam incluídos em Sua ressurreição! Aquele que foi entregue aos gentios também foi entregue em favor dos gentios. Como Paulo diz,

Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas?” (Rm 8.32)

Embora esse fosse um caminho de difícil aprendizado para Pedro e os apóstolos (At 10, Gl 2), eles aprenderam que

Deus não faz acepção de pessoas;pelo contrário, em qualquer nação, aquele que o teme e faz o que é justo lhe é aceitável”. (At 10.34)

A mensagem do Pentecostes está fundamentada na realidade do sofrimento e da morte de Cristo, e é dirigida igualmente a todas as partes culpadas por esse pecado.

É assim que o Messias se torna o tão esperado Rei das nações. Ele derrota as nações sendo entregues a elas e por elas! Seu triunfo é aperfeiçoado na fraqueza! Porque, ao serem entregues a todos, todos compartilham da culpa do pecado. No entanto, ao ser entregue a todos, Cristo carrega o pecado de todos. Portanto, a mensagem de Pentecostes pode ser divulgada: anistia e salvação para todos os que creem, tanto judeus como gentios!

Também compartilhamos da culpa de Sua morte. Nossa própria natureza egoísta e hostil é retratada no que os gentios fizeram. Mas, por Sua misericórdia, fomos autorizados a ouvir e aceitar Sua graça. A mensagem da bênção da cruz também pode chegar até nós, juntamente com o Espírito de santidade para os gentios. Quem então não pode deixar de louvar a Deus por Seus dons gloriosos?


Tradução: Marcel Tavares.

Revisão: Ester Santos.

O website revistadiakonia.org é uma iniciativa do Instituto João Calvino.

Licença Creative Commons: Atribuição-SemDerivações-SemDerivados (CC BY-NC-ND). Você pode baixar e compartilhar este artigo desde que atribua o crédito à Revista Diakonia e ao seu autor, mas não pode alterar de nenhuma forma o conteúdo nem utilizá-lo para fins comerciais.

Próximo artigo Cantando Salmos sobre Cristo
Artigo anterior Cristo no cinema

Artigos relacionados

Comentários com o Facebook (0)

Comentários com o Wordpress (0)

0 Comentário

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comentar este artigo!

Deixe um comentário

13 − onze =