Oficialato

Diretrizes de Calvino no chamado para o ofício

BAIXE O ARTIGO

E, portanto, chamado do próprio Deus, para este ministério santo…

As Escrituras frequentemente fazem uso do termo “chamar”. Os crentes são efetivamente chamados; chamado das trevas para a luz; chamados a ser Santos. Eles são chamados em uma esperança de seu chamado. Nós temos nosso chamado diário. Há também, o assim chamado, chamado macedônio. Em nossa sociedade, temos a tendência de falarmos diferente. Nós falamos de trabalho, de compromisso, de decisão e coisas do gênero. Essa é a linguagem de autodeterminação. A Escritura, no entanto, enfatiza chamando. Isso implica, em primeiro lugar, que Deus dirige todas as coisas e não, nós mesmos. Quando uma pessoa é chamada para fazer algo, ela não tem isso de si mesma, mas está simplesmente seguindo ordens de outra. Em segundo lugar, implica que a vontade de Deus é absoluta e cognoscível. Não somos deixados no escuro, questionando se Deus é “silencioso”, como muitos hoje afirmam. Deus fala e chama. Em terceiro lugar, implica que devemos ouvir e obedecer às suas ordens.

O chamado para o ofício

Além dos diferentes tipos de chamados que normalmente nos referimos, há também o chamado para o ofício.

Quando Deus quer que um homem sirva em um dos ofícios especiais de sua igreja, Ele o chama. Isso não é válido apenas ao ofício de ministro da Palavra, mas também aos ofícios de presbítero e diácono. Nas formas litúrgicas que usamos para a instalação de portadores de cargo, bem como para o ofício de ministro, a pergunta é feita: “Se você sente em seu coração legitimamente chamado [itálico, LWB] da Igreja de Deus, e, portanto, de Deus”. Esta é, obviamente, uma questão importante. Tem precedência mesmo sobre a questão de saber se a pessoa está em acordo expresso com a doutrina das Sagradas Escrituras como “a perfeita doutrina para a salvação”.

Quando falamos do chamado para o ofício, obviamente estamos ignorando que um homem chega ao ofício por meio da autodeterminação. Uma pessoa não decide simplesmente que quer estar no ofício e, então, busca caminhos que leva a situação. Isso é o que acontece frequentemente na política. As pessoas decidem que querem ocupar este ou aquele cargo político; então, eles anunciam sua candidatura e iniciam sua candidatura e começam a fazer campanhas por votos. Também negamos que um homem chegue no ofício por acidente. Ele pode ou não ter estimado o cargo, mas de alguma forma, aleatoriamente ele chega ao ofício, sem saber o porquê e pelo que. Nem uma pessoa busca o ofício por curiosidade ou por desejo de algumas recompensas do ofício. Ele só pode ocupar o cargo se e quando Deus o chamar.

A próxima pergunta, no entanto, o que constitui tal chamado de Deus. É o chamado algo que se origina da experiência mística do universo; surge da pressão de grupo; ou se origina da emoção do momento? Não, assim como acontece com o chamado eficaz, Deus opera o chamado para o ministério através de Seus meios estabelecidos, através de Sua Palavra pelo Seu Espírito, dentro do contexto da igreja do Senhor. Calvino lança considerável luz sobre a operação do chamado ao ofício.

Vamos categorizar seu ensino em quatro pontos e ilustrá-lo com citações de seus escritos:
1. Primeiro, o chamado para o ofício assume o chamado para o estado de graça. Não pode haver convocação para nenhum ofício, desde que não tenha havido nenhum chamado eficaz à graça. Nas palavras de Calvino, “somente devem ser escolhidos aqueles que são de sã doutrina e de vida santa, não notáveis em qualquer falta que possa tanto privá-los de autoridade, quanto desgraçar o ministério [1 Timóteo 3:2-3; Tito 1:7-9]” (As Institutas IV, 3, 12). Em seu comentário sobre Tito 1:9 ele explica mais: “Em um pastor é exigido não somente aprender, mas zelo pela doutrina pura como nunca se afastar dela”. Em outra parte, ele escreve: “Deus não deseja que os (pastores) desempenhem seu ofício de maneira fria e sem vida, mas que sigam em frente com poder, confiando na eficácia do Espírito… Por isso, somos ensinados, primeiro, que nenhum de nós possui essa firmeza e inabalável constância do Espírito, que é requisito para cumprir nosso ministério, até sermos dotados do céu com um novo poder” (Exposição em 2 Timóteo 1:7).

2. Em segundo lugar, o chamado para o ofício envolve um chamado interno de Deus. Calvino chama isso de “aquele chamado secreto, do qual cada ministro é consciente diante de Deus e que não tem a igreja como testemunha. Contudo, há o bom testemunho de nosso coração de que recebemos o ofício não com ambição ou avareza, não com qualquer outro desejo egoísta, mas com um sincero temor a Deus e desejo de edificar a igreja. Isso é de fato necessário para cada um de nós (como eu disse), se quisermos que nosso ministério seja aprovado por Deus” (As Institutas IV, 3, 11). Como Calvino disse: A igreja não é a testemunha desse chamado interior; não obstante, ela deve contar com o fato de que deve haver esse chamado, e qualquer um que não possa atestar tal chamado interior deve primeiro buscar clareza a respeito dele. Em seu comentário sobre Gálatas 1: 1, ele escreve: “Como nenhum homem deveria ‘tomar essa honra para si mesmo’,
(Hebreus 5: 4), portanto, não está no poder dos homens doar a quem eles escolherem. Pertence somente a Deus governar Sua igreja; e, portanto, o chamado não pode ser legítimo, a menos que proceda d’Ele.”

3. Em terceiro lugar, o chamado para o ofício fica evidente no aparato dado pelo Espírito Santo. Se um homem vem com “um chamado interior”, mas não tem os dons fundamentais para o ministério, devemos suspeitar do chamado interno. Calvino explica em seu Comentário sobre 1 Coríntios 1: 1. “Porque, como ninguém pode legitimamente assumir a designação e posto de ministro, a menos que seja chamado, assim não basta que alguém seja chamado, se ele também não cumprir os deveres de seu ofício. Porque o Senhor não escolhe ministros para que eles sejam ídolos mudos, ou exerçam tirania sob o pretexto de seu chamado, ou façam de seu próprio capricho sua lei; mas ao mesmo tempo assinala que tipo de pessoas devem ser, e liga-as por suas leis, e as tênues escolhas para o ministério, ou, em outras palavras, que em primeiro lugar elas não podem ser ociosas, e em segundo lugar, que eles podem se restringir dentro dos limites de seu ofício.” Calvino escreve: “Aqueles a quem o Senhor destinou para tal ofício, primeiro ele provê as armas necessárias para cumpri-lo, para que não venham de mãos vazias e despreparado. Consequentemente, Paulo, em sua carta aos Coríntios, quando se comprometeu a discutir esses ofícios, primeiro revisou os dons nos quais aqueles que executam os ofícios devem primar [1 Coríntios 12: 7-11]. ”Calvino elabora esses dons que Deus confere como aqueles de “sã doutrina e… vida santa” (Inst. IV, 3, 11). Esses presentes não são secretos. Eles são perceptíveis e estão sob o julgamento da igreja.

4. Em quarto lugar, a chamada para o ofício é fundamentada no chamado pela igreja. Calvino escreve nas Institutas, IV, 3, 11: “Eu estou falando sobre o chamado exterior e solene [= oficial] que tem a ver com a ordem pública da igreja… Mas ainda, chega-se a ele com uma consciência do mal, ele é, no entanto, devidamente chamado na presença da igreja, desde que a sua maldade não esteja aberta. Os homens também costumam dizer dos leigos que eles são chamados ao ministério quando vêem que estão aptos e competentes para exercê-lo.”

O tratamento dado por Calvino ao chamado para o ofício é típico de seu equilíbrio entre os elementos objetivos e subjetivos da fé cristã. Alguns colocam toda a ênfase nas experiências espirituais; outros capitalizam na palavra objetiva. Calvino, vê a necessidade de ambos. Deixe-nos fazer o mesmo.


Tradução: Alaíde Monteiro.

Revisão: Thaís Vieira.

Imagem concedida por Aline Guedes – Fotografia.

O website revistadiakonia.org é uma iniciativa do Instituto João Calvino.

Licença Creative Commons: Atribuição-SemDerivações-SemDerivados (CC BY-NC-ND). Você pode baixar e compartilhar este artigo desde que atribua o crédito à Revista Diakonia e ao seu autor, mas não pode alterar de nenhuma forma o conteúdo nem utilizá-lo para fins comerciais.

Próximo artigo A vida não nascida é humana?
Artigo anterior Qual é a sensação de viver com graves deficiências?

Artigos relacionados

Comentários com o Facebook (0)

Comentários com o Wordpress (0)

0 Comentário

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comentar este artigo!

Deixe um comentário

Os seus dados estão seguros! Seu endereço de e-mail não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados com *

3 × quatro =