Membresia

Preparação para a Ceia do Senhor: Autoexame, detestando a mim mesmo

BAIXE O ARTIGO

Da Forma para a Celebração da Ceia do Senhor

O autoexame é um aspecto importante da Ceia do Senhor. A forma para a celebração da Ceia do Senhor nos diz que o exame sincero consiste em três partes. Esta meditação focará na primeira parte.

Primeiro, que todos considerem seus pecados e maldições, para que, detestando a si mesmo, se humilhem diante de Deus. Porque a ira de Deus contra o pecado é tão grande que Ele não pode deixá-lo impune, mas o puniu em Seu amado filho Jesus Cristo pela morte amarga e vergonhosa na cruz.1

O autoexame é um aspecto importante da Ceia do Senhor.

Culpa e punição

Tenho uma semana difícil diante de mim, uma semana em que devo me preparar para a próxima celebração da Ceia do Senhor. O aspecto mais difícil dos próximos dias, provavelmente, será que esses dias serão apenas dias normais…

… dias em que o mesmo trabalho precisa ser feito como sempre – seja trabalho doméstico ou fora de casa; sejam atividades rotineiras ou desafiadoras.
… dias durante os quais estarei ocupado com as minhas preocupações e inquietações habituais.
… dias durante os quais nem pensarei na próxima celebração da Ceia do Senhor, a menos que eu me esforce.

Certamente, eu terei que reservar um tempo para esta preparação.

…tempo para considerar meus pecados.
… tempo para considerar que esses pecados provocam a ira de Deus sobre mim.
… tempo para redescobrir que eu, iluminado pela Palavra de Deus, devo detestar a mim mesmo por causa desses pecados.
… tempo para humilhar-me diante de Deus.

Pecados.
Realmente mereço a ira de Deus.
Detestando a mim mesmo.
Humilhando-me diante de Deus.

Estas são palavras severas e difíceis. Na verdade, não tenho tanta certeza que tenho todos esses pecados. Eu raramente sinto que mereço a ira de Deus. Por que eu deveria querer me detestar? Com que frequência eu realmente me sinto culpado e humilhado diante de Deus?

Tenho que pensar em Jesus Cristo. Sua morte na cruz foi amarga e vergonhosa. No próximo Domingo, quando eu comer e beber do Seu sangue, este comer e beber devem ser uma proclamação da morte amarga e vergonhosa.

Pecados!
Realmente eu mereço a ira de Deus!
Detestando a mim mesmo!
Humilhando-me diante de Deus!

Palavras difíceis, de fato. No entanto, quando eu – como se estivesse com meus próprios olhos – vejo como a morte de Jesus foi vergonhosa e amarga na cruz, sou severamente lembrado: essas palavras ásperas são palavras verdadeiras.

Tudo isso tem a ver com os meus pecados…
… minha natureza é má e corrupta; é por isso que eu sempre tenho o desejo de ser desobediente a Deus.
… meus pecados diários; todos os dias eu vou contra a vontade de Deus de diversas maneiras. É por isso que eu mereci a ira de Deus: minha rebelião contra Ele, o Rei, é a mais alta traição. É por isso que eu merecia o pior dos castigos que tivesse uma duração eterna, e que eu deveria ter carregado em corpo e alma. Mas, meu Salvador carregou o castigo que eu mereci. Ele sofreu a ira de Deus que deveria ter me destruído. Ele morreu no Gólgota também por meus pecados.
Quando penso nessas coisas, não posso deixar de detestar, detestar-me, porque com tanta frequência cedo aos meus pecados…
… tantas vezes eu vivo de forma fácil e superficial, sem muitos pensamentos para Deus.
… tantas vezes eu sou negligente em fazer o bem, consciente ou subconscientemente.

E, no entanto, o Senhor me envia um convite para encontrá-Lo em Sua mesa, no próximo domingo.

Um convite para mim – apesar de eu ter envelhecido e de ter me perguntado quantas vezes ainda poderei comer o pão e beber do cálice.

Um convite para mim no auge da minha vida – Muitas vezes eu afirmo estar muito ocupado, para ser honesto comigo mesmo.

Um convite para mim – Eu apenas celebrei a Ceia do Senhor duas ou três vezes.

Um convite para mim – Será a primeira vez no próximo domingo. Vou começar esta semana voltando para a cruz. É aí que eu devo ficar durante a próxima semana. Lá, na cruz, vou renovar minha confissão uma vez feita: Senhor.

Deus tenha misericórdia de mim, miserável pecador.

É assim que vou me humilhar diante de Deus. Eu me sinto um pecador, humilhado, todavia colocado na plena luz da graça de Deus.

Imerecida misericórdia – que ocupará meus pensamentos para sempre.

Cantado: Salmo 322

1. Feliz aquele cuja iniquidade
Foi perdoada, seu mal esquecido,
A quem Javé não atribui o mal,
E em seu espírito dolo não há.
Enquanto eu calei os meus pecados,
Meu mui gemer fez velhos os meus ossos.
Tua mão pesava sempre sobre mim:
O meu vigor tornou-se em sequidão.

2. Eu confessei a Ti o meu pecado,
Não ocultei mais minha iniquidade.
Disse: “Ao Senhor confessarei meu mal”
Por meu pecado mau, deste perdão.
Todo homem pio há de suplicar-te
No tempo dele poder encontrar-te.
Quando água abundante transbordar,
Ainda assim, não o atingirá!

Das Escrituras: Salmo 51:3-153

Pois eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim. Pequei contra ti, contra ti somente, e fiz o que é mau perante os teus olhos, de maneira que serás tido por justo no teu falar e puro no teu julgar. Eu nasci na iniquidade, e em pecado me concebeu minha mãe. Eis que te comprazes na verdade no íntimo e no recôndito me fazes conhecer a sabedoria. Purifica-me com hissopo, e ficarei limpo; lava-me, e ficarei mais alvo que a neve. Faze-me ouvir júbilo e alegria, para que exultem os ossos que esmagaste. Esconde o rosto dos meus pecados e apaga todas as minhas iniquidades. Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova dentro de mim um espírito inabalável. Não me repulses da tua presença, nem me retires o teu Santo Espírito. Restitui-me a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito voluntário. Então, ensinarei aos transgressores os teus caminhos, e os pecadores se converterão a ti. Livra-me dos crimes de sangue, ó Deus, Deus da minha salvação, e a minha língua exaltará a tua justiça. Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca manifestará os teus louvores.

Leituras para a semana de preparação:
  • Domingo: Salmo 130
  • Segunda: Salmo 30
  • Terça: Salmo 32
  • Quarta: Salmo 25.1-11
  • Quinta: Salmo 25.12-22
  • Sexta: João 19:17-30
  • Sábado: 1 Coríntios 11.23-29
  • Domingo: Manhã: Lucas 22.14-20 / Noite: 1 Coríntios 12.13-26

 

Notas:

1 Optamos por traduzir o texto referente à forma litúrgica porque a forma usada nas Igrejas Reformadas do Brasil, não possui a parte final. A forma usada pelas igrejas brasileiras, diz o seguinte: “Primeiro: Cada um deve ter consciência dos seus pecados e da maldição de Deus para se detestar e se humilhar perante Deus, porque a ira dEle contra o pecado é muito grande.”

2 O autor do artigo fez referência ao Salmo 32 com a melodia de Genebra. A metrificação do Salmo 32 em português com a melodia de Genebra foi feita por Lucas G. Freire.

3 Usamos a versão Almeida Revista e Atualizada.

 


Artigo publicado originalmente na Clarion Magazine, 1998.

Tradução: Alaíde Monteiro.

Revisão: Ester Santos.

O website revistadiakonia.org é uma iniciativa do Instituto João Calvino.

Licença Creative Commons: Atribuição-SemDerivações-SemDerivados (CC BY-NC-ND). Você pode baixar e compartilhar este artigo desde que atribua o crédito à Revista Diakonia e ao seu autor, mas não pode alterar de nenhuma forma o conteúdo nem utilizá-lo para fins comerciais.

Próximo artigo Como posso saber se sou vocacionado ao presbiterato?
Artigo anterior Os diáconos e o uso dos dons na igreja

Artigos relacionados

Comentários com o Facebook (0)

Comentários com o Wordpress (1)

1 Comentário

Deixe um comentário

Os seus dados estão seguros! Seu endereço de e-mail não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados com *