Membresia

Por que as Igrejas Reformadas fazem avisos antes de receberem alguém em sua membresia?

BAIXE O ARTIGO

As Igrejas Reformadas seguem o princípio reformado do Sola Scriptura, ou seja, somente as Escrituras devem regular toda matéria de fé e prática. Nas Escrituras, especificamente em 1Coríntios 14.40, encontramos um princípio que serve como pano de fundo para o nosso assunto. Paulo fala algo sobre a boa ordem dentro da igreja em Corinto: “Tudo, porém, seja feito com decência e ordem”. Este texto tem servido de base para o regimento das Igrejas Reformadas através dos séculos, e tem regulado assuntos como os ofícios na igreja, as assembleias eclesiásticas, os cultos públicos e sacramentos, e a disciplina eclesiástica. Assim, tudo é feito com boa ordem e decência dentro das igrejas.

Por que tudo deve ser feito com ordem e decência? Porque não estamos lidando com o que é nosso. Devemos entender que a igreja pertence ao Senhor Jesus Cristo. Ele deixou sua vontade expressa em sua Palavra ou passível de ser deduzida por ela. As Escrituras nos ajudam a fugir dos caprichos dos homens e da subjetividade dos indivíduos. Ou seja, nos protege dos outros e do nosso próprio coração enganoso. O princípio de ordem e decência baseado na Palavra de Deus salvaguarda tanto as liberdades das igrejas locais, como rejeita o domínio de certos indivíduos que se dizem iluminados. Agindo com a Palavra de Deus cuidaremos bem das coisas de Deus.

Com a noção de que tudo deve ser feito debaixo da submissão a Palavra de Deus, com boa ordem e decência, agora chegamos à questão: Por que as Igrejas Reformadas fazem avisos antes de receberem alguém em sua membresia? Talvez o que falamos até aqui já responda esta pergunta. Mas, vamos seguir adiante e ver alguns aspectos práticos e doutrinários.

O fato das Igrejas Reformadas fazerem anúncios sobre novos membros está intimamente ligado com a Santa Ceia. Ao longo de sua história, as Igrejas Reformadas têm levado muito a sério a Mesa do Senhor. O Catecismo de Heidelberg dedica três domingos para falar sobre este assunto (Domingos 28, 29 e 30). Especialmente no Domingo 30 (Ou Dia do Senhor 30), nossa confissão pergunta para quem a Santa Ceia foi instituída e quem pode ser admitido a Santa Ceia. Em resumo, somos informados na pergunta e resposta 81, que a Mesa do Senhor é para os crentes. Todos na igreja devem estar cientes deste fato. Um não crente não pode participar da Santa Ceia para a sua própria condenação. Na pergunta e resposta 82, o catecismo enfatiza que, caso alguém seja admitido na Mesa do Senhor de forma indigna, a Aliança de Deus é profanada e sua ira cairá sobre toda a congregação. Certamente nós não queremos que isto aconteça!

Algumas igrejas acreditam que a decisão sobre quem deve ou não vir a Mesa do Senhor, deve ser tomada somente pelo indivíduo (autoexame). Mas, temos confessado que além do autoexame, a pessoa precisa do testemunho dos demais. Estes demais são: A) O conselho e B) A igreja toda.

A) Quanto a participação do conselho da igreja. Através dos séculos, as Igrejas Reformadas tem confessado que os principais guardiões da Mesa do Senhor são os Presbíteros. Conforme a Palavra de Deus, os Presbíteros são os supervisores do rebanho de Cristo. Eles também receberam as Chaves do Reino de Deus (Mt 16.13-20; 18.15-20). Eles prestarão contas do seu serviço ao Senhor da Igreja (Hb 13.17). Os Presbíteros admitem ou não cada membro na Mesa do Senhor. Entretanto, isto não exclui a participação de cada membro na igreja.

B) A igreja toda. Os membros das Igrejas Reformadas são participativos. Eles contribuem em vários assuntos, tais como: 1) a eleição para um novo Ministro da Palavra; 2) a escolha de um novo oficial para a igreja; 3) no processo de disciplina de membros que estão se desviando da Palavra de Deus em suas vidas (cf. Mt 18). Cada item deste poderia ser mais bem elaborado, mas isto será deixado para outro artigo. Quando um novo membro vai participar da Santa Ceia, toda a igreja dá o seu consentimento. Isto não acontece todas as vezes que a Santa Ceia é realizada, mas, pelo menos, em três momentos: 1 – Profissão de Fé de membro não comungante; 2 – Membro vindo de alguma igreja irmã; 3 – Membro vindo de uma igreja não irmã.

Historicamente, a Convenção de Wezel (1568), foi quem organizou isto pela primeira vez. Naquela reunião de Igrejas Reformadas dos Países-Baixos, foi declarado que ninguém deveria ser admitido a Mesa do Senhor, a menos que tal indivíduo tivesse feito profissão de fé, e se submetido à disciplina da Igreja. O Sínodo de Dort (1578) [Não o grande Sínodo contra os Arminianos] e o Sínodo de Middelburg (1581) ratificaram esta decisão. Falaremos mais sobre como aqueles três momentos mencionados acima acontecem e como a igreja participa nos anúncios:

1 – Admitido a Santa Ceia por pública profissão de fé (filhos batizados).

Filhos batizados são membros da igreja. Eles têm direitos maiores (e privilégios) na igreja quando fazem pública profissão de fé e são admitidos na Mesa do Senhor. Na profissão de fé, é realizada uma conversa entre o “candidato” e o conselho da igreja. O conselho quer saber se há conhecimento e desejo sincero em relação a Cristo. A fase da conversa com o conselho é preliminar. Após o parecer favorável do conselho da igreja, são feitos dois anúncios a toda a igreja antes da data da pública profissão de fé. Esta prática de conversar com o conselho primeiro e depois esperar o consentimento da igreja antes da data para a profissão de fé vem do Sínodo de Dort (1574).

Por que fazer este anúncio? Porque, por meio dele, toda a igreja pode ficar ciente daquele candidato. A igreja também pode ajudar no trabalho do conselho, escrevendo cartas objetando aquela decisão. Os membros na igreja tem o dever de informar ao conselho algo que tal membro tem pretendido esconder. Estes informes ao conselho raramente acontecem, pois o conselho geralmente faz o seu trabalho com fidelidade. Entretanto, o anúncio mostra preocupação com a boa ordem e decência, bem como mostra que toda a igreja está envolvida na questão da Santa Ceia.

2 – Admitido a Santa Ceia, sendo já um membro comungante, porém vindo de uma igreja irmã.

Neste caso, a profissão de fé já foi feita em outra igreja. O conselho recebe da igreja “remetente” uma carta atestando a doutrina e vida daquele membro. A situação destes membros podem ser duas – apenas em viagem, ou mudando de residência e de igreja, entretanto, o procedimento é o mesmo. O conselho da igreja “destinatária” deve receber tal atestado confiando no testemunho da igreja remetente. Isto nem sempre foi assim. Na época da Reforma, quando os reformados eram perseguidos na Europa, um viajante ou peregrino dava o seu próprio testemunho de fé e vida. A igreja recebia tais testemunhos dado o contexto, pois se certa pessoa fosse encontrada pelos romanistas, com uma carta atestado em suas mãos, a prisão era certa. Porém, isso também permitiu a infiltração de maus elementos dentro da igreja e na Santa Ceia. Por causa deste fato, foi importante reafirmar a necessidade do testemunho do conselho da igreja “remetente”. É uma prática saudável que está em conformidade com Romanos 16.1. Como funcionam os anúncios para a igreja neste caso? Diferente da primeira situação, como a igreja remetente já deu o seu consentimento através da carta atestado, é dispensável a reação da igreja destino. O novo conselho apenas anuncia o novo membro, como uma espécie de apresentação. Alguns até excluem a necessidade de tais anúncios, fazendo o mesmo no boletim da igreja.

3 – Admitido a Santa Ceia, sendo membro de outras igrejas.

Neste caso, a doutrina e a piedade de certa pessoa devem ser examinadas pelo conselho. A forma da admissão a Santa Ceia é deixada para a avaliação do conselho. Pode ser que tal pessoa terá que passar por aulas de catequese e finalmente fazer pública profissão de fé. E se tal pessoa tiver filhos pequenos, também receberão o selo do batismo caso ainda não tenham recebido. Ou pode ser que, o conselho examinará o que a outra igreja confessa (Seus padrões de fé são reformados?). No fim destes exames e de todo o processo, dois anúncios (dois Domingos) serão feitos para a igreja, a fim de que a mesma proceda como na situação 1.

Dito isso, podemos chegar ao fim da discussão. As Igrejas Reformadas fazem anúncios de novos membros porque: 1) Estão preocupadas com a boa ordem; 2) Estão preocupadas com quem será admitido a Santa Ceia.

Espero que este artigo tenha ajudado você a pensar em nossas práticas. Além disso, que possa ajudar você a pensar nas práticas de sua própria igreja.


Revisão: Ester Santos.

O website revistadiakonia.org é uma iniciativa do Instituto João Calvino.

Licença Creative Commons: Atribuição-SemDerivações-SemDerivados (CC BY-NC-ND). Você pode baixar e compartilhar este artigo desde que atribua o crédito à Revista Diakonia e ao seu autor, mas não pode alterar de nenhuma forma o conteúdo nem utilizá-lo para fins comerciais.

Próximo artigo Por que os oficiais das Igrejas Reformadas precisam subscrever as Três Formas de Unidade?
Artigo anterior Um outro olhar ao Artigo 11 do Regimento

Artigos relacionados

Comentários com o Facebook (0)

Comentários com o Wordpress (0)

0 Comentário

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comentar este artigo!

Deixe um comentário

Os seus dados estão seguros! Seu endereço de e-mail não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados com *