Membresia

Os que não são fecundos estão debaixo de maldição?

BAIXE O ARTIGO

Pastor, eu e minha esposa não temos filhos. Será que somos amaldiçoados por Deus?

Caros irmãos, Abrão e Sarai,

Saudações no Senhor.

Respondendo a sua pergunta de modo rápido, digo que a Queda de Adão trouxe várias anomalias à boa criação. Dentre essas anomalias está a infecundidade. Então, de modo geral, a infecundidade é uma consequência da maldição de Deus sobre a humanidade.

Contudo, para o consolo de vocês e de muitos casais que sofrem com a infecundidade, de modo específico, não podemos dizer que um casal estéril é um casal amaldiçoado por Deus. Lembrem-se do cego de nascença falado em Jo 9.1-3. A cegueira é uma anomalia como todas as doenças o são, bem como as deficiências físicas que surgiram com a Queda. Mas, a cegueira do ex-cego não foi uma maldição por um pecado cometido por ele ou por seus pais. O ex-cego nasceu cego para que Deus fosse glorificado.

Não podemos dizer que um casal estéril é um casal amaldiçoado. Mas, podemos dizer que todo casal infecundo pode usar a infecundidade para a glória de Deus. Olhando por uma perspectiva redentora, se casais não têm crianças dadas por Deus através do ventre, Deus pode lhes dar crianças vindas pela comunhão dos santos. Por exemplo: Os casais sem filhos têm mais tempo para servir aos pais que têm filhos ajudando como babás, na instrução de crianças e jovens na igreja, na promoção de retiros e até em obras sociais com crianças fora da igreja.

Vocês buscaram tratamento para curar a fertilidade? A Queda trouxe doenças e anomalias humanas. Mas, a graça de Deus concedeu sabedoria aos homens para eles acharem a cura para diversas doenças e a correção de muitas anomalias. Existem casos que a infertilidade pode ser tratada e curada. Custa muito dinheiro. Se a infertilidade de vocês ainda não foi tratada por meios medicinais e vocês têm condições financeiras para esse tipo de tratamento, vale a pena tentar. Contudo, certifique-se que esse tratamento seja conforme os princípios da Palavra de Deus. Por exemplo: Não pratique o adultério usando o que se chama de barriga de aluguel. Se seu marido vai usar o sémen, que este seja usado em você e não em outra mulher. O sémen do marido é para a esposa.

Se o meio será a fecundação de seus óvulos com o sémen de seu marido, certifiquem-se que todos os óvulos fertilizados sejam implantados em seu útero, pois, há vida humana, havendo a fecundação. Milhares de crianças são assassinadas ou esquartejadas em laboratórios, pois, seus pais permitiram que os óvulos fecundados fossem deixados armazenados em frios tonéis e usados ou descartados pelos laboratórios que efetuaram a fecundação. Sendo assim, vocês precisam garantir que nenhum filho seja entregue à morte. Todos os óvulos fecundados devem estar no ventre de mamãe Sarai.

Além disso, Deus pode dar a vocês crianças vindas por meio da adoção. Lembrem-se: Nós não somos filhos naturais de Deus. Somente Jesus Cristo é o Filho natural do Pai. Nós somos filhos adotados por Deus por causa de Jesus Cristo. A adoção de filhos é um meio para que casais crentes possam ter filhos que serão grandemente abençoados por Deus, pois estas crianças serão feitas participantes da Aliança e herdeiras das mesmas promessas pactuais que Deus garante aos seus pais. A aliança de Deus não é somente com nossos filhos naturais, mas, também com aqueles que estão, legalmente, debaixo de nossa responsabilidade (Gn 17.12-13). Por isso, orem sobre essa possibilidade legítima.

Portanto, casais que não receberam suas próprias crianças, têm uma quantidade grande de crianças do Reino e de fora dele para cuidarem. Espero que essas palavras ajudem vocês a se consolarem na vontade de Deus e a serem muito fecundos na obra de Cristo Jesus.

Fraternalmente, e em nome do SENHOR, o nosso Redentor,

Pr. Adriano

P.S: Esse é um casal fictício, mas que ilustra uma situação real.


O website revistadiakonia.org é uma iniciativa do Instituto João Calvino.

Licença Creative Commons: Atribuição-SemDerivações-SemDerivados (CC BY-NC-ND). Você pode baixar e compartilhar este artigo desde que atribua o crédito à Revista Diakonia e ao seu autor, mas não pode alterar de nenhuma forma o conteúdo nem utilizá-lo para fins comerciais.

Próximo artigo Saudação
Artigo anterior Alegrando-se com o nosso trabalho

Artigos relacionados

Comentários com o Facebook (0)

Comentários com o Wordpress (0)

0 Comentário

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comentar este artigo!

Deixe um comentário

Os seus dados estão seguros! Seu endereço de e-mail não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados com *