Ministério da Palavra

Especificações técnicas do Kindle e sua relação com o trabalho do ministro

BAIXE O ARTIGO

No primeiro artigo da série de artigos sobre a utilidade do Kindle para o trabalho do ministro da Palavra, eu apresentei nove maneiras como o ministro pode utilizar o Kindle como uma ferramenta de trabalho. Se você ainda não leu este artigo, clique aqui.

Neste segundo artigo, eu quero mencionar algumas especificações técnicas do Kindle ao mesmo tempo em que as relaciono com o trabalho do ministro, principalmente no que diz respeito a estudos, palestra e sermões.

Porém, antes de seguirmos, quero destacar mais uma vez, que o meu objetivo não é convencê-lo a usar o Kindle, e sim, oferecer informações para quem está cogitando obtê-lo.

Quatro modelos

A primeira coisa que você precisa saber se está cogitando comprar um Kindle é que existem quatro modelos, a saber: 1) Kindle; 2) Kindle Paperwhite; 3) Kindle Voyage; 4) Kindle Oasis. Todos são dispositivos para leitura, mas existem certas diferenças entre eles.

Minha experiência se resume ao Kindle Paperwhite, por isso, falarei principalmente dele. No entanto, podemos compará-lo aos demais de acordo com as especificações fornecidas pela Amazon.

Peso

Uma das vantagens imediatas que percebi ao substituir o Ipad 4 pelo Kindle, no meu trabalho como ministro da Palavra, foi a questão do peso. O Ipad 4 pesa 652 gramas, enquanto o Kindle Paperwhite pesa 205 gramas.

Cada modelo do Kindle tem um peso diferente. O mais pesado é o Kindle Paperwhite, e o mais leve é o modelo simples com 161 gramas. Porém, todos eles são mais leves até mesmo do que o Ipad mini 4.

A diferença de peso do Ipad 4, para o Kindle Paperwhite, será percebida se você tiver de falar em um local sem púlpito, como, por exemplo, nas seguintes situações:

  • Um velório;
  • Um estudo em uma casa em que talvez seja preciso ficar de pé;
  • Algum evento evangelístico na rua ou em local onde não haja um púlpito.
  • Um batismo, ordenação ou profissão de fé, nos quais geralmente é preciso afastar-se um pouco do púlpito e ao mesmo tempo ler a liturgia.

Nestes casos, ter um dispositivo mais leve é uma vantagem.

Tamanho

Outra vantagem que percebi ao substituir o Ipad 4 pelo Kindle Paperwhite foi a questão do tamanho. O primeiro tem 241,30 mm de altura e 185,8 mm de largura, enquanto que o segundo tem 169 mm de altura e 117 mm de largura.

Cada modelo do Kindle tem um tamanho diferente. Mas em resumo podemos dizer que o de maior altura é o Kindle Paperwhite (169 mm) e o de maior largura é o Kindle Oasis (141 mm).

Em situações como as mencionadas acima, eu consigo segurar o meu Kindle Paperwhite com apenas uma mão, sem dificuldades. O que é mais difícil de fazer com o Ipad 4 não só pelo peso, mas também por causa do tamanho.

Quanto ao tamanho, uma questão de destaque é que algumas vezes o espaço do púlpito é pequeno para manter a Bíblia aberta e ao mesmo tempo o Ipad ao lado. Com o Kindle isso é mais fácil de resolver, tanto porque ocupa menos espaço, quanto por ser mais fácil colocá-lo sobre a Bíblia aberta.

Ainda sobre o tamanho, uma coisa que me agrada é o fato do Kindle ser mais discreto. Não gosto de chamar atenção para tecnologia quando tenho de anunciar a Palavra de Deus.

Talvez a única desvantagem do Kindle, é que sua tela é menor. O Ipad 4 tem uma tela de 9,7 polegadas, enquanto que nos três primeiros modelos do Kindle a tela é de 6 polegadas. Só o Kindle Oasis possui uma tela diferenciada com 7 polegadas.

O fato da tela do Kindle ser menor, aliado ao fato que eu prefiro e preciso ler com letras maiores, faz com que seja preciso mudar de página mais vezes do que seria preciso no Ipad. Mas isso não chega a ser um incômodo. E eu já me acostumei. E normalmente faço uma leitura prévia do texto no próprio Kindle. Assim eu tenho uma noção do que vem em seguida, durante a palestra ou pregação.

Porém, uma das vantagens do Kindle, em relação aos casos mencionados acima, é que nele você pode mudar a página com a mesma mão que o segura, basta um pequeno toque do lado direito da tela para passar para a próxima página. No caso dos modelos Voyage e Oasis, há também um botão para fazer isso.

Duração da bateria

Aqui o Kindle leva ampla vantagem. A bateria do Ipad dura em média umas doze horas. Mas isso depende dos aplicativos usados e de algumas configurações. Mas a realidade é que essa capacidade vai diminuindo cada vez mais. Principalmente, se você utilizar para assistir vídeos ou deixar seus filhos jogarem no Ipad.

O Kindle, por sua vez, tem uma bateria que dura muito mais. Se uma pessoa fizer uma leitura de meia hora por dia, e seguir certas configurações de iluminação e wi-fi, uma carga pode durar até 8 semanas. Uma usuária fez um teste, no qual leu quatro horas por dia, com wi-fi ligado e iluminação no máximo, a bateria durou 10 dias.1

Mesmo assim, por precaução, eu normalmente verifico a situação da bateria do meu Kindle Paperwhite todos os sábados. Mas costumo recarregar apenas umas duas vezes por mês.

Armazenamento

Meu Ipad 4 tem 64 GB de memória. Mas se deve levar em conta que o sistema iOS e os aplicativos ocupam bastante espaço. De modo que não sobra tanto espaço para conteúdo.
Quanto ao Kindle, os três primeiros modelos possuem 4 GB. E o modelo Oasis possui 8 GB. Mas não fique preocupado 4 GB é um espaço suficiente.

No momento eu tenho 197 livros no meu Kindle e 193 documentos (pdfs que foram convertidos automaticamente para mobi). E ainda tenho 2,34 GB livres no meu Kindle. E mesmo que eu obtenha muitos outros livros, eu não preciso tê-los todos no dispositivo. Eles podem ficar na nuvem, disponíveis para download quando eu julgar necessário.

Iluminação e resolução

Todos os modelos Kindle possuem tela antirreflexo. Isso quer dizer que, diferentemente das telas de tablets e smartphones, a tela do Kindle elimina o reflexo em qualquer ambiente – mesmo diretamente sob a luz do sol. Isso pode ser útil se você tiver de falar durante o dia ao ar livre.

Também é digno de nota que o Kindle não emite luz azul. Segundo o fabricante, estudos recentes, indicam que a exposição à luz azul emitida por tablets e smartphones no fim do dia pode inibir a produção corporal de melatonina, um hormônio que ajuda o corpo a pegar no sono.

O sistema de iluminação imbutida, que não está disponível no modelo mais simples é mais um benefício quanto a iluminação. Os três últimos modelos utilizam uma tecnologia de luz embutida que direciona a luz para a superfície da tela, diferente de tablets, que emitem luz em direção aos olhos. Isso favorece a leitura em ambientes mais escuros e cansa menos aos olhos.

Quanto a isso, existe uma diferença na quantidade de LEDs: o modelo simples não tem LEDs, o Paperwhite possui 4 LEDs, o Voyage 6 LEDs e o Oasis 12 LEDs. Pelo que li nos comentários aos diferentes modelos, quanto mais LEDs, mais agradável a leitura.

No que diz respeito à resolução, todos os modelos oferecem uma resolução de 300 ppi (pixels por polegada), com exceção do modelo mais simples, que oferece uma resolução de 167 ppi.

Esses recursos de iluminação e resolução oferecem uma experiência mais próxima do papel e cansam menos a vista.

Preço

Outro diferencial importante é o preço. Quando comprei meu Ipad 4, ele custou R$ 2.500. Foi uma pancada. Senti menos porque economizei para comprá-lo. Hoje no site da Apple, você encontra os seguintes preços:2

  • Ipad mini 4 – a partir de R$ 2.999,00;
  • Ipad – a partir de R$ 2.499,00;
  • Ipad Pró 10,5 polegadas – a partir de R$ 4.999,00;
  • Ipad Pró 12,9 – a partir de R$ 6.199,00.

Já o Kindle, tendo em vista seu objetivo e recursos é um dispositivo bem mais simples, e por isso, bem mais em conta. No site da Amazon Brasil você encontra os seguintes preços.3

  • Kindle – R$ 299,00;
  • Kindle Paperwhite – R$ 479,00;
  • Kindle Voyage – R$899,00;
  • Kindle Oasis – R$1.149,00.

Na época em que comprei o meu Kindle Paperwhite, aproveitei um desconto de R$80,00 oferecido pela Amazon. É só criar uma conta em amazon.com.br, e você será notificado sobre as promoções. Elas costumam acontecer algumas vezes durante o ano.

Custo Benefício

Se hoje, eu não tivesse nenhum dos dois, e estivesse procurando por um dispositivo que me livrasse da necessidade de imprimir meus sermões, sem dúvida eu optaria pelo Kindle. É claro que o Ipad tem inúmeros recursos que o Kindle nem sonha em ter. Mas em se tratando de um dispositivo para ter em mãos seus sermões, estudos e palestras, o Kindle é uma boa escolha.

Se eu tivesse de fazer a escolha mais uma vez, faria a escolha pelo Kindle Paperwhite por causa do custo benefício. O novo Kindle Oasis pode ser tentador por conta de ter o dobro de armazenamento, de seus 12 LEDs, pela bateria ser de maior duração, ser à prova d’água e ter uma tela ligeiramente maior, mas o preço não ajuda.

É bom que se destaque que, se você não quiser carregar via USB (vem com cabo), você terá que comprar um carregador, cujo valor é de R$79,00.

Além disso, recomendo a compra de uma capa. Tem uma opção de R$99,00 e outra que é uma capa de couro que custa R$149,00. O Kindle Oasis já vem com capa (que é ao mesmo tempo uma bateria extra).

Conclusão

Desde que em fevereiro de 2017 substitui o Ipad 4 pelo Kindle Paperwhite como ferramenta em meu trabalho como ministro da Palavra, eu o tenho utilizado em mais de 100 sermões, em muitas palestras, catequese e visitas pastorais, e posso dizer que foi uma substituição acertada.

Como já disse antes, o uso do Kindle não tem relação com fidelidade ou qualidade do que é exposto, mas com facilidade. É apenas uma ferramenta, mas é uma boa ferramenta.

Além das vantagens em relação ao armazenamento, tamanho, peso, iluminação, resolução, duração da bateria e preço, destaco ainda que nunca travou ou apresentou defeitos.

Além disso, por ser um aparelho discreto é mais difícil de você ser roubado, e caso seja, seu prejuízo será menor do que perder um dispositivo de mais de R$2.500,00.

Portanto, apesar de minha experiência não ser um padrão a todos os ministros, àqueles que estão cogitando a compra de um Kindle para utilizar como ferramenta em seu trabalho como ministro da Palavra, eu recomendo.

Se você ministro da Palavra, ainda tem alguma dúvida a esse respeito, na qual eu possa lhe ajudar em artigo futuro, por favor, deixe seu comentário.

No próximo artigo falarei um pouco mais sobre como usar o Kindle no púlpito.

Notas:

1 <https://silenciocontagiante.wordpress.com/2015/02/13/experiencia-kindle-duracao-de-bateria>. Acesso em: 5 de abril de 2018.

2 <http://www.apple.com/br/ipad>. Acesso em: 5 de abril de 2018.

3 <https://www.amazon.com.br/b/ref=sv_kinc_0?ie=UTF8&node=5475881011>. Acesso em: 5 de abril de 2018.


Revisão: Ester Santos.

O website revistadiakonia.org é uma iniciativa do Instituto João Calvino.

Licença Creative Commons: Atribuição-SemDerivações-SemDerivados (CC BY-NC-ND). Você pode baixar e compartilhar este artigo desde que atribua o crédito à Revista Diakonia e ao seu autor, mas não pode alterar de nenhuma forma o conteúdo nem utilizá-lo para fins comerciais.

Próximo artigo O Regimento das Igrejas Reformadas do Brasil - Aula 1 [Vídeo]
Artigo anterior Uma palavra aos idosos: o serviço de visitação aos membros da terceira idade

Artigos relacionados

Comentários com o Facebook (0)

Comentários com o Wordpress (1)

1 Comentário

  1. Bom dia pastor, paz, muito bom o artigo.
    Eu ainda sou seminarista, mas tenho pregado quase toda semana, e tenho usado um tablet android (Samsung) pra isso. E além de pregar, também uso o tablet pra letra de músicas, pois também faço parte do louvor.
    Até tenho pensando em trocar por um kindle, mas ainda não tive coragem 🙂
    Principalmente porque no tablet tenho a facilidade de usar o Evernote, e aí não tenho a necessidade de ficar convertendo nada pra mandar pro kindle.
    Aí tenho uma dúvida: o senhor faz como pra mandar os arquivos pro kindle? Escreve em um word ou equivalente e depois converte pro formato do Kindle? Tem alguma complicação nesse processo ou é uma coisa simples?

    Responder

Deixe um comentário

Os seus dados estão seguros! Seu endereço de e-mail não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com terceiros. Campos obrigatórios marcados com *